Em pleno século XXI onde só se fala de acessibilidade, Mozarlândia parece andar contra o tempo. Em grupo do Whatsapp a população posta fotos e criticam a atuação dos poderes legislativo e executivo do município.

Com isso a população precisa driblar os grandes obstáculos que encontram pelas ruas da cidade, desde estruturas feitas de ferros para guardar carrinhos de mercado, carros parados sobre as calçadas, além de várias mercadorias sendo expostas nas portas dos comércios durante todo o dia.

Uma cidade de 52 anos, onde pessoas normais precisam ter paciência e disposição para driblar esses obstáculos, imaginem os portadores de deficiência física, dentre eles os cadeirantes, pois quase não se vê rebaixamento nas calçadas. Esse tipo de rebaixamento só é possível encontrar em portas  de bancos e alguns comercios, sem contar a grande falta de sinalização como faixas de pedestre.

Segundo o código de conduta do munícipio de 2008, na seção V diz, Art. 75 a ocupação de passeios públicos, praças, jardim e demais logradouros com qualquer objeto móvel, inclusive mesas e cadeiras, lanchonetes, sorveterias, pamonharias, lanches, choperias e pitdog, só será permitida mediante autorização prévia de órgão competente da prefeitura, justificadas as razões e exclusivamente a título precário, por tempo determinado.

Link código de postura do munícipio: http://www.nucleogov.com.br/camaramozarlandia/anexos/leis/lei_20150103001137.PDF


Fotos: via Whatsapp