Um homem foi preso em flagrante tentando aliciar uma menor para trabalhar como prostituta em boates de Goiânia, no último dia 3 de setembro, em Mozarlândia. Fabrício Gomes dos Santos teria oferecido a E.C.S, de 15 anos, trabalho em uma casa de prostituição na capital, dizendo que a menor poderia ganhar até R$ 500 por programa.

A prisão se deu quando a adolescente, acompanhada de sua mãe, compareceu à Delegacia de Polícia de Mozarlândia a fim de denunciar o suposto aliciador, que já havia enviado várias mensagens de celular para a menina, pedindo para terem uma conversa sobre propostas de trabalho. Fabrício chegou a ligar para a adolescente na presença dos policiais civis.

Consentindo em encontrar-se com Fabrício, E.C.S foi levada até sua casa pelos policiais civis, os quais, ocultos no interior do local, acompanharam toda a conversa entre ele e a adolescente. Durante a conversa, Fabrício convida a menor para trabalhar em uma pretensa loja que estava montando em Mozarlândia, oferece-­lhe um outro emprego, como auxiliar de um suposto locutor de rodeios. Perguntado pela jovem a respeito das mensagens, Fabrício não demorou a revelar que se tratava de uma casa de prostituição de Goiânia.

Não satisfeito, Fabrício perguntou à jovem se poderia fazer um “teste” com ela, naquele momento, oferecendo R$ 500 para a garota. Fingindo consentir, E.C.S dirigiu-­se para o interior da casa com Fabrício, momento em que os policiais lhe deram voz de prisão em flagrante delito. Conduzido à Delegacia de Polícia, Fabrício foi enquadrado no Artigo 218­B do Código Penal Brasileiro (favorecimento à prostituição de menor), cuja pena é de 4 a 10 anos de detenção.

De acordo com o titular da Delegacia de Polícia de Mozarlândia, Murilo Gonçalves de Almeida, durante a lavratura do Auto de Prisão em Flagrante de Fabrício, descobriu-­se, em consulta ao Banco Nacional de Mandados de Prisão (BNMP), haver mandado de prisão emitido contra o suspeito por estupro de vulnerável, determinado pela Autoridade Judiciária da Comarca de Leopoldo de Bulhões­-GO. O mandado de prisão foi cumprindo na sequência.

Fonte: http://www.policiacivil.go.gov.br